domingo, 15 de dezembro de 2013

Aqui dentro

Aonde quer que a gente vá, sempre haverá uma forma de voltar a ser o que a gente era, a menos que haja a vontade de continuar vivendo. Lá atrás não venta mais. Ninguém escuta mais nada. A comida acabou. As águas das enchentes escoaram. Pra as outras, existem as fotografias. Guarde-as e finja que não sabe onde estão. Quando esquecer de buscar o pão pro café, encontre-as sem querer e ria. Ou chore também. Tudo bem. Apenas não seja de novo o que foi um dia. Todo dia é dia, toda hora é hora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário